Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 No próximo sábado, dia 23 de maio, às 22h00, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, acolhe o mítico Sexteto de Jazz de Lisboa, depois de quase trinta anos da gravação do único álbum, “Ao Encontro”, num concerto que se adivinha memorável. No âmbito do Ciclo “Histórias de Jazz em Portugal”, os autores António Curvelo e Manuel Jorge Veloso lançaram o repto de ver o grupo novamente reunido. O desafio foi recebido com entusiasmo e, através da música, o Sexteto presta homenagem ao amigo e companheiro Jorge Reis, que fazia parte da formação original da banda.image001 (1).jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:21

image001.jpg

No próximo sábado, dia 16 de maio, às 22h00, o Pequeno Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, recebe no seu palco a criação conjunta de Jacinto Lucas Pires e da bailarina e atriz francesa Alma Palacios. “Libretto” é uma mistura de várias linguagens como a escrita, a dança, a canção, o cenário e a luz, e uma metáfora que nos obriga a refletir sobre os nossos dias.

Café Concerto do CCVF recebe a promissora artista islandesa Ólöf Arnalds

image002.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28

image001.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44

image002.jpg

No próximo sábado, dia 02 de maio, às 22h00, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, é palco para a antestreia do novo álbum de Cuca Roseta. Antecipando a saída do seu novo disco, “Riû”, a 18 de maio, Cuca Roseta vem ao CCVF desvendar pela primeira vez, e ao vivo, alguns dos segredos deste novo trabalho, passando igualmente pelos temas mais marcantes da sua carreira.

 

Cuca Roseta visita Guimarães para apresentar o seu terceiro disco. Depois de um primeiro álbum homónimo, produzido pelo conceituado Gustavo Santaolalla, Cuca lançou um segundo trabalho, “Raiz”, onde escreve e compõe quase a totalidade do disco. Agora, com o terceiro disco, atinge uma maturidade mais plena ao lado do produtor brasileiro Nelson Motta, que já trabalhou com Elis Regina, Marisa Monte e Daniela Mercury. Iniciando no Centro Cultural Vila Flor uma nova tour e depois de um ano cheio de sucessos e inúmeros concertos em Portugal e no estrangeiro, a fadista regressa a Guimarães para uma noite que promete ser inesquecível. Uma oportunidade única para escutar uma das mais marcantes vozes da nova geração do Fado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:14

image001.jpg

A Grande Invasão, Ninho da Margarida e Oficina de Experiência Musical são algumas das atividades para bebés, crianças e educadores de infância

 

Ao longo do mês de abril, o Serviço Educativo do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, apresenta vários espetáculos e oficinas, cada um direcionado a um público específico, desde bebés a crianças mais crescidas e também uma oficina dirigida a educadores de infância.

 

Nos dias 10 e 11 de abril, às 10h30 e 16h00 respetivamente, o Pequeno Auditório do CCVF recebe no seu palco o espetáculo “A Grande Invasão”, da companhia Caótica, dirigido a crianças com idades entre os 8 e os 12 anos, que frequentem o 1º e 2º ciclo escolar. Trata-se de um documentário ao vivo que confunde, alegremente e sem vergonha, a ciência e a fantasia. Uma mãe, conferencista, testemunha e documenta, por intermédio de fotografias, ilustrações e vídeos, o seu encontro e vivência quotidiana com um grupo de Sereias que provocou uma epidemia junto daqueles que estiveram em contacto com elas na vila de Alcochete, desde o dia 17 de julho de 2007. De relato documentado, o objetivo da conferência transforma-se num pedido de ajuda ao espetador, que é convidado a assinar uma petição que liberte as Sereias da tutela do Instituto de Medicina Legal de Lisboa, onde estão confinadas para investigação.

 

Os dias 11 e 12 de abril serão dedicados aos bebés. Nestas datas, às 10h00 para os bebés dos 4 aos 18 meses, e às 11h00 para os bebés dos 19 aos 36 meses, a Sala de Ensaios do Centro Cultural Vila Flor transforma-se no “Ninho da Margarida”. Um ninho criado para as mais tenras idades, onde a música é uma vivência livre recheada de sons e canções, experiências rítmicas, sensações sonoras e aventuras do corpo pelo espaço lúdico, musical e afetuoso que o rodeia.

 

Associado ao espetáculo, no dia 11 de abril, entre as 15h00 e as 18h00, a Sala de Ensaios do CCVF acolhe uma oficina de música dedicada a educadores de infância. Nesta oficina, Margarida Mestre propõe relembrar, através de experiências concretas, a importância pedagógica e afetivo-sensorial das canções (e de cantar bem), das danças de roda e da vivência física do som. A proposta é, também, treinar o pensamento criativo de forma a desenvolver qualquer tema e transformá-lo numa alegre experiência dos múltiplos sentidos. A experiência musical implica todo o corpo num movimento de escuta, comunicação e sucessivas tentativas de estar em conjunto e em imersão num outro universo que não se vê mas que se faz, que se sente e que contribui fortemente para a experiência plena do mundo que nos rodeia.

 

A completar a programação mensal do Serviço Educativo, no dia 04 de abril, a partir das 16h00, há também os já famosos “Sábados em Família” que promovem atividades em convívio familiar no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG). No dia 19 de abril, às 16h00, está também programada uma sessão de leitura organizada pelo Núcleo de Estudos 25 de Abril, em parceria com o Serviço Educativo d’A Oficina e o Teatro de Ferro, onde participam alunos de diferentes escolas do concelho. Nesta sessão, intitulada “Livre como um Livro”, um grupo de jovens entre os 11 e os 19 anos dá voz a textos de Walt Whitman, Manuel António Pina, Ary dos Santos, Sophia de Mello Breyner Andresen, entre outros, numa sessão de leitura comemorativa da Liberdade. Esta iniciativa terá lugar na Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade e a entrada é livre até ao limite dos lugares disponíveis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:43

image001.jpg

Esta quinta-feira, 02 de abril, às 22h00, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor acolhe a Orquestra de Guimarães que apresenta a emblemática obra “Messias”, de G. F. Haendel, que subirá ao palco em versão encenada. A orquestra atua sob a batuta do maestro Vítor Matos e conta com encenação de Marcos Barbosa, diretor artístico do Teatro Oficina.

 

Após a auspiciosa estreia em 2014, a Orquestra de Guimarães apresenta, para a primeira residência artística deste ano, uma obra icónica da música coral sinfónica ocidental: a oratória “Messias”, de G. F. Haendel. Com uma abordagem inovadora, a obra será apresentada em versão encenada, assumindo os intérpretes uma posição dinâmica em palco, enfatizando a intensidade dramática e proporcionando uma nova abordagem estética, sensorial e interpretativa à obra.

 

A Orquestra de Guimarães, projeto cultural criado pela Câmara Municipal, apresenta-se como um projeto ambicioso e singular que pretende, com base na excelência, integrar e potenciar o talento de artistas da região, proporcionando-lhes o contacto com a prática musical orquestral sinfónica. Baseado nos fortes laços criados entre a comunidade e as artes performativas, este projeto visa a criação de uma rede artística de excelência, salvaguardando assim dois fatores fundamentais para o sucesso do projeto: a sustentabilidade e a estabilidade.

 

A Orquestra de Guimarães tem como principais objetivos promover a prática orquestral de excelência com objetivos artísticos e programáticos bem delineados, proporcionar o contacto com a prática musical orquestral sinfónica aos jovens com qualidade artística, baseado em fortes princípios afetivos e pedagógicos que permitam o desenvolvimento artístico e interpretativo dos seus intervenientes. Ao mesmo tempo, pretende-se desenvolver a partilha de conhecimentos, amizade e respeito mútuo entre artistas da região.

 

 

Palácio Vila Flor encerra mostra dedicada aos 10 anos do Laboratório das Artes com programa especial que culmina com uma última incursão à exposição

 

No sábado, 04 de abril, às 16h00, o Laboratório das Artes despede-se do Palácio Vila Flor, espaço que acolheu uma mostra dedicada aos 10 anos de vida desta associação que promove e divulga a arte contemporânea em Guimarães. Nesta data, o Pequeno Auditório do Centro Cultural Vila Flor tem agendada uma programação especial que culmina numa última visita à exposição.

 

Às 16h00 é apresentado o filme “A Escola”, por Max Fernandes, um filme produzido a partir de um espetáculo de teatro-fórum em que o texto e a representação foram construídos coletivamente entre os participantes: atores e espetadores. Após a apresentação do filme “A Escola”, o público é convidado a sentar-se no foyer do Pequeno Auditório do CCVF para uma conversa com os artistas que compõem o coletivo Laboratório das Artes. O dia termina, assim como o próprio projeto, com uma incursão final à exposição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

image001.jpg

Na interrupção escolar da Páscoa, entre os dias 23 e 27 de março, o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, promove uma série de atividades a pensar nos mais novos. Estas férias representam o regresso do “Programa à Descoberta”, pensado de propósito para os mais pequenos e curiosos (entre os 6 e os 9 anos de idade), com o intuito de proporcionar uma oferta qualificada para as férias e de promover o usufruto dos tempos livres.

 

Ao longo de uma semana, o Serviço Educativo do CCVF desenvolve uma série de atividades com o intuito de ocupar os tempos livres dos mais novos de forma divertida, mas também produtiva. Desta forma, para os mais pequenos foi pensado um conjunto de atividades sob o tema “grandes fins, grandes princípios” que consiste em oficinas de artes, debates filosóficos, cinema, teatro e outras atividades, cruzando o saber e o fazer. Os objetivos do Centro Cultural Vila Flor junto das crianças são abrir novas perspetivas sobre o mundo que as rodeia, desenvolver a sua criatividade e contribuir para a valorização da experiência de cada um no seio do trabalho em grupo.

 

Os mais crescidos (entre os 10 e os 12 anos de idade) poderão encontrar no programa “Oficin’Ar de Férias” uma forma descontraída de dar azo à sua veia artística. O programa apresenta-se como um laboratório, em que as crianças são orientadas por artistas e experimentam livremente processos de criação partilhados e diversificados. Esta semana terá como mote o Dia Mundial do Teatro, dia 27, e será dedicada à escrita e ao teatro.

 

As atividades começam às 10h00 e vão até às 12h30, com paragem para almoço. À tarde, as oficinas recomeçam às 14h30 e prolongam-se até às 16h30, contudo o horário de acolhimento abre às 09h00 e a saída estende-se até às 18h00. O preço da inscrição varia entre os 33 euros (sem almoço) e 58 euros (com almoço). Esta atividade está sujeita a inscrição prévia até ao dia 16 de março e pode ser efetuada no Centro Cultural Vila Flor, na Plataforma das Artes e da Criatividade ou através do preenchimento do formulário online disponível no site www.ccvf.pt.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

De 10 a 18 de abril, o Westway Lab Festival proporciona uma interação privilegiada entre artistas e público e desdobra-se em vários momentos, desde residências artísticas, talks, conferências PRO, showcases e concertos. Ao longo de uma semana, Guimarães dá assim corpo a um festival inovador que traz à cidade muita música e criatividade ao reunir um conjunto de artistas nacionais e internacionais, consagrados e emergentes, para uma série de atividades que têm como objetivos fundamentais provocar encontros, estimular processos criativos, formular soluções para percursos profissionais e apresentar mostras autorais consolidadas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58

image001.jpg

 

Na próxima sexta-feira, dia 13 de março, às 22h00, o Pequeno Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, recebe o espetáculo “Cheio” que mistura várias linguagens num mesmo lugar. O teatro-circo e a dança contemporânea encontram-se aqui para dar ao público um espetáculo cheio de tudo.

 

“Cheio” é uma criação artística de Filipa Francisco e Thorsten Gruetjen que cruza as linguagens do teatro-circo e da dança contemporânea. É um espetáculo que parte da improvisação das técnicas utlizadas nas performances do teatro-circo (o malabarismo, a manipulação de objetos ou a interação com o público), desenhando novos movimentos coreográficos, na procura de um diálogo profícuo entre as linguagens do teatro-circo e da dança-teatro.

 

O espetáculo desenvolve uma narrativa à volta da construção de um clown, tendo como referências e inspiração, para a elaboração deste personagem, figuras do cinema e da performance como Charlot, Monsieur Hulot (Jacques Tati), o palhaço Grock ou os saltimbancos de Fellini. É uma criação partilhada pela coreógrafa Filipa Francisco e por Thorsten Gruetjen, cabendo a este último o papel de intérprete que, num solo, procura encontrar o seu clown: quando o seu corpo descobre os movimentos e os gestos dá-se a grande transformação. Este será um espetáculo que se suporta na evolução dos movimentos físicos e coreográficos do intérprete, na utilização de materiais e objetos de manipulação do quotidiano (sacos de papel, bolas e cana de pesca) e numa relação próxima com os espetadores. 

 

Um intérprete que se transforma em clown. Um carrinho parceiro e cúmplice que guarda alguns objetos que se transmutam e ganham identidade própria. Objetos que são manipulados e utilizados de forma absolutamente inesperada. Podem tubos transformar-se em parceiro de umpas de deux? Pode um saco de papel ter peso suficiente para ser o fio condutor de um espetáculo? Em “Cheio” tudo pode acontecer e o público é convocado pelo intérprete a descobrir e explorar o seu processo de trabalho artístico.

 

Workshop desvenda os segredos da peça “Cheio”

 

No dia anterior à apresentação do espetáculo, 12 de março, às 21h30, na Sala de Ensaios do Centro Cultural Vila Flor realiza-se um workshop no âmbito do espetáculo “Cheio” onde serão abordadas as técnicas desenvolvidas e trabalhadas no contexto do processo criativo desta peça. As inscrições no workshop podem ser efetuadas no Centro Cultural Vila Flor ou no sitewww.ccvf.pt através do formulário de inscrição disponível online.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:50

image003.jpg

 

O Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, vai estar ao rubro no mês de março com dois fins de semana que vão fazer dançar o mais inerte dos corpos. No dia 07, às 24h00, os Throes + Shine dão garantia de festa. Eles são Luanda via Porto e são sinónimo de dança e alegria. Uma semana depois, no dia 14, às 24h00, é a vez de White Haus tomar de assalto o Café Concerto vimaranense. Depois de X-Wife e DJ Kitten, João Vieira verte neste projeto todas as influências que o marcaram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36



Like box


Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D