Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



image001.jpg

Esta sexta-feira, 05 de dezembro, às 22h00, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, recebe “Antológica”, espetáculo que resulta de uma nova parceria entre a companhia de teatro Cão Solteiro e o artista plástico Vasco Araújo. Uma peça que é um puzzle para cada espetador montar.

 

Depois de “A Portugueza” e “A Africana”, “Antológica” é o terceiro trabalho que une a companhia Cão Solteiro e o artista plástico Vasco Araújo. Tal como no espetáculo anterior, os textos são de José Maria Vieira Mendes. “Antológica” é uma construção modular, sequência de corpos enquadrados por paisagens impressas, próxima da miscelânea porque não tem uma ordem explicada. É um encontro em movimento entre a companhia e o artista plástico, em cujo trabalho os objetos comuns são anteriores ao encontro real.

 

Nesta peça, a trama desenrola-se ao longo de uma sucessão de cenas, às quais corresponde uma tela que enquadra os atores, como quem coloca um indivíduo numa paisagem e que depois se preenche com objetos, música, texto ou nada. “Antológica” não se compõe através da narrativa clássica, antes se constrói através de momentos isolados que correspondem a cenas em que o público é convidado a montar a obra como quiser ou entender. Um traço singular que serve de marca a esta parceria, a mistura de duas linguagens artísticas, o teatro e as artes plásticas, numa criação circular em que o fim de uma se esbate no início da outra.

 

Cão Solteiro é uma plataforma de artistas que tem vindo a estabelecer um processo de trabalho fortemente suportado pela construção de imagens, ao qual é inerente o cruzamento de linguagens, e a transferência de códigos entre disciplinas artísticas. Vasco Araújo, que colabora com a Cão Solteiro desde 2009 como cocriador, junta-se a mais este projeto que eleva o teatro a uma linguagem mais ampla. “Antológica” é uma coprodução da companhia Cão Solteiro, do Maria Matos Teatro Municipal e do Centro Cultural Vila Flor.

 

Estilhaços, de Adolfo Luxúria Canibal, encerra programação deste ano do Café Concerto do CCVF

 

Este sábado, 06 de dezembro, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor diz adeus a 2014. O último concerto deste ano é protagonizado pelo projeto Estilhaços, de Adolfo Luxúria Canibal.

O projeto Estilhaços nasceu em 2004 onde Adolfo Luxúria Canibal lia textos e poemas do seu livro homónimo. Acompanhado ao piano e outros teclados por António Rafael, este formato singular deu origem à gravação do primeiro disco do projeto, homónimo, editado em 2006. Posteriormente passou a contar com a participação de Henrique Fernandes (contrabaixo) e de Jorge Coelho (guitarra) e expandiu o repertório. Em 2010, convidados para uma sessão de homenagem a Mário Cesariny, passam a incluir poemas do poeta surrealista, o que constituiria a base para um novo trabalho, “Estilhaços e Cesariny”. Em 2013, apresentaram um novo espetáculo, baseado nos textos de Adolfo Luxúria Canibal inspirados pelos livros de ilustração da coleção “O Filme da Minha Vida”, que deu origem a “Estilhaços Cinemáticos”, que chega agora a Guimarães.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00



Like box


Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Dezembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D