Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Comissão dos Orçamentos lança alerta, em relatório de parecer do Eurodeputado José Manuel Fernandes

 

A União Europeia não dispõe de dotação orçamental suficiente para poder cumprir os objetivos delineados na Estratégia 2020. O alerta é da Comissão dos Orçamentos no Parlamento Europeu, que aprovou ontem um relatório de parecer do eurodeputado José Manuel Fernandes.

No âmbito do relatório sobre “Possíveis desenvolvimentos e ajustamentos do atual quadro institucional da UE”, a comissão dos Orçamentos lamenta a escassez de recursos e critica a deriva dos processos de decisão para o âmbito intergovernamental, em detrimento do método comunitário. Esta é uma opção com repercussões negativas na capacidade de intervenção e financiamento das instituições europeias.

No relatório de parecer, o eurodeputado José Manuel Fernandes expressa que “o nível atual do orçamento da UE, que corresponde a 1 % do PIB da UE-28, não é suficiente para alcançar os objetivos da Estratégia Europa 2020”, nomeadamente ao nível da criação de emprego, qualificação das pessoas e combate à pobreza.

Fica também comprometida a capacidade de resposta da UE face aos desafios atuais e futuros, seja ao nível do problema das migrações, seja ao nível do ambiente e das alterações climáticas.

Em defesa da dotação do orçamento da UE com um sistema de verdadeiros recursos próprios que contraria uma visão excessivamente nacionalista e egocêntrica do orçamento, José Manuel Fernandes prefere que seja reduzida a quota das contribuições baseadas no Rendimento Nacional Bruto de cada Estado-Membro, dando preferência a receitas com base em ações comunitárias.

 “O orçamento da UE deve ser simples, claro e facilmente compreensível para os cidadãos da UE e basear-se numa estrutura que permita compará-lo e coordená-lo com os orçamentos nacionais”, propõe José Manuel Fernandes, coordenador do PPE na Comissão dos Orçamentos.

Nesse sentido, devem ser eliminadas todas as formas de correcção das contribuições dos Estados-Membros, procedimento de que era principal beneficiário o Reino Unido.

De forma a “ser possível responder a crises e a novas prioridades políticas”, José Manuel Fernandes defende que “o Quadro Financeiro Plurianual deve permitir a máxima flexibilidade”. Propõe que sejam disponibilizadas no orçamento “todas as receitas extraordinárias resultantes de anulações de autorizações ou de coimas por violação das normas da concorrência”, Por outro lado, reclama a necessidade de “garantir o controlo parlamentar de todas as despesas da UE”, incluindo os fundos fiduciários e outros instrumentos «satélites» ad hoc criados através de processo de decisão intergovernamental à margem do orçamento da UE.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:09



Like box


Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D