Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Eurodeputado José Manuel Fernandes

não tem dúvidas no ‘chumbo’

da proposta de proibir redes de deriva na pesca

 

 

José Manuel Fernandes defende sustentabilidade da pesca artesanal e recusa proposta que tem a oposição do grupo PPE e do governo português

 

 

Face às preocupações manifestadas pelas comunidades piscatórias portuguesas, nomeadamente na costa norte entre Caminha e Matosinhos, quanto à ameaça de proibição de utilização de todos os tipos de redes de deriva na pesca, o Eurodeputado José Manuel Fernandes manifestou-se hoje convicto de um desfecho positivo do processo legislativo em curso nesta matéria, salientando que a posição dos pescadores tem acolhimento no Parlamento Europeu e no Conselho.

Em causa está uma proposta de regulamento da Comissão Europeia que visa proibir a pesca com redes de deriva, o que para os pescadores representaria uma séria ameaça à sobrevivência da pesca artesanal e das comunidades piscatórias locais.

“A proposta da Comissão Europeia está em fase de debate no Parlamento Europeu onde conta com a oposição clara do nosso grupo, o Partido Popular Europeu. Também no Conselho há oposição de vários Estados-Membros entre os quais Portugal. A proposta da Comissão está assim rejeitada, à partida”, esclareceu José Manuel Fernandes.

De acordo com o Artigo 3.º - “Proibição das redes de emalhar de deriva” – da proposta de regulamento apresentada ao Parlamento Europeu e ao Conselho, passaria a ser proibido capturar qualquer recurso biológico marinho com redes de deriva, bem como manter qualquer tipo de rede de deriva a bordo dos navios de pesca".

Esta é uma proposta sem cabimento, porque não defende os interesses de uma Europa mais sustentável, desenvolvida e coesa na sua diversidade. A pesca artesanal tem uma importância acrescida para o cumprimento dos objectivos da Estratégia Europa 2020 e para a preservação do ambiente e da biodiversidade”, sustenta José Manuel Fernandes.

O Eurodeputado do PSD e coordenador do PPE na Comissão dos Orçamentos sublinha que a pesca artesanal cumpre um papel fundamental na dinamização das economias locais, com particular impacto ao nível do emprego, da coesão social e do turismo.

José Manuel Fernandes adianta ainda que “não faria sentido que, depois de todo o esforço que fizemos no Parlamento Europeu para assegurar uma beneficiação especial para este sector da actividade piscatória ao nível doQuadro Financeiro Plurianual (QFP) 2014-2020, estivéssemos agora a legislar para impedir o normal trabalho de quem se dedica à pesca artesanal”.

No Parlamento Europeu, o PPE – que é o maior grupo político – já se assumiu manifestamente contra a proposta da comissão que levaria à proibição das redes de emalhar de deriva. No Conselho, tal como já assumiu o governo português, a grande maioria dos Estados-Membros tem manifestado oposição à proposta em causa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:15



Like box


Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Janeiro 2015

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D