Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estêvão Lima  (foto de diariomedico.com).jpg

Descoberta simplifica algo que hoje demora meia hora e ainda consegue evitar radiações

 

Uma equipa liderada pela Universidade do Minho criou uma tecnologia que permite simplificar uma cirurgia endoscópica para extrair pedras nos rins. O método permite também realizar a cirurgia sem uso de radiação. A tecnologia utiliza um campo eletromagnético para navegar com segurança uma agulha para punção do rim. Após os testes em animais, espera-se avançar para ensaios nos humanos a partir do próximo ano.

 

“Extrair pedras nos rins demora atualmente duas horas e depende muito quer da experiência do cirurgião como do uso de radioscopia, que pode ter consequências sérias de radiação no doente e no cirurgião. Na prática, ‘pica-se’ com uma agulha de 20 centímetros na zona lombar do paciente, abrindo caminho aos instrumentos cirúrgicos para a remoção. Mas a técnica que agora criámos é mais rápida, menos invasiva e permite ver no ecrã do computador a rota que a agulha deve seguir”, resume Estêvão Lima, que é professor da Escola de Ciências da Saúde da UMinho, cientista do ICVS - Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde e diretor do serviço de Urologia do Hospital de Braga.

 

O novo processo, que demora em média um a dois minutos, facilita ainda a tarefa a médicos menos experientes e aumenta a segurança dos procedimentos. O projeto decorre em estreita parceria com o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave e já foi testado em animais no ICVS. Os investigadores estão a aperfeiçoar o sistema com o fim de obter o certificado para futuros testes em pessoas. E caso estes venham a ser bem-sucedidos, espera-se que o primeiro produto seja patenteado e chegue às salas de operações a partir de 2016. A pesquisa venceu o 1º Prémio no Simpósio da Associação Portuguesa de Urologia, foi eleita para as melhores comunicações do Congresso Europeu de Urologia 2014 e tem sido publicada em revistas científicas internacionais.

 

As pedras nos rins, que afetam uma em cada 200 pessoas, sobretudo os homens, surgem quando os cristais de sais urinários formam pedras e não são expulsos. Isso pode causar bloqueios no sistema urinário, infeções, fortes dores no abdómen ou mesmo sepsis. O calor, a elevada transpiração e a baixa ingestão de água levam a um maior risco de contrair a doença. Ter uma alimentação saudável e beber líquidos regularmente contribuem para minimizar o problema.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:13



Like box


Mais sobre mim

foto do autor




calendário

Fevereiro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D